Haicais Visuais

trabalhos que mesclam design, arte e poesia

Shine

Novo cartaz analisado

Volver - leia e escolha o próximo

Churches

Marcia Okida - arte e design

Design, cor e arte nunca se separam

Churches

design e tatuagens

as mandalas e seus simbolos

Civic Involvement

Revista Estar Bem

artigos sobre cores

Civic Involvement

presente especial

com muita arte e design

Civic Involvement

Na ZUPI

artigos sobre design

Civic Involvement

Sobre Coisas e Design

"artigos para o Artefatocultural"

Action

• Noite Estrelada é sobre meu trabalho e minhas paixões. Experimente cada área acima e espero que goste.

Mandalas, tatuagens e design

Revista Estar Bem artigos sobre cores

leia...

• Nós somos design

Se o design fosse uma pessoa, para mim seria mais ou menos assim:

A forma — imagens, composição etc. — seria o corpo;

A tipografia é a roupa que veste esse corpo dando um certo estilo próprio;

E as cores seriam a alma, a inspiração, força, sentimento que vem de algo imaterial.

Ainda poderia adicionar alguns “adereços gráficos” como simbologias, linguagens de construção e criação — que seriam os detalhes construtivos da peça — como os objetos de moda que usamos e que podem agregar mais informação ao tipo de personalidade que queremos passar a quem nos conhece.

Para mim o design gráfico é assim: uma personalidade com corpo e alma.

E assim como qualquer pessoa pode aparecer em uma festa ou  evento, vestido de um modo inadequado, o design também pode — dependendo das mãos e olhar equivocado de quem o cria — aparecer, ser usado ou criado de um modo errado, ficando distante da mensagem que deveria passar.

Este é um grande problema do design gráfico: entender e qualificar o senso estético. Algo difícil de ensinar, difícil de aprender, ter, possuir — principalmente quando trata-se de alguém que já nasceu com um senso estético um tanto quanto equivocado.

Bom gosto não se aprende, ou temos ou não temos, concordam?

Acho que a maioria vai dizer que concorda. Mas eu não concordo, pelo menos em partes.

Concordo que é muito difícil fazer com que alguém que tenha um senso estético ruim, passe a ter um olhar perfeito para um conjunto visual. Mas acredito que é possível sim aprender, ensinar, passar a ter um bom senso estético em design gráfico. É difícil, mas é possível.

É como se fizéssemos uma assessoria de moda para um amigo (a) que se veste super mal.

Com jeitinho e amizade é possível convencê-lo a melhorar seu visual para algum encontro. Ele pode até não adotar a sua sugestão para toda a sua vida, mas somos capazes de conseguir fazer com que ele (a) entenda que, pelo menos naquele momento, pode melhorar seu estilo para que ele se adeque a um determinado objetivo.

Em design gráfico é assim — pelo menos tento fazer assim em minhas aulas e acho que funciona — devemos entender que nosso gosto pessoal — e não estou falando de estilo autoral ou senso estético, mas de gosto, preferência — pode, por muitas vezes, não ser o padrão estético ideal a um determinado objetivo de comunicação — já que vejo o design gráfico como um ato de comunicar apenas com imagens — e, por isso, devemos adequar esse nosso gosto particular a um novo tipo de olhar com temas, objetivos e público específico e que pode ser o extremo oposto daquilo que gostamos.

E aí é que vem o passo mais difícil: usar um bom senso estético em algo que foge dos nossos padrões de gosto, de preferências. Entender que algo que possa ser “feio” para nós pode ser o “belo” para outros.

Como colocar beleza em padrões considerados ruins?

O que é feio ou belo para uns, pode ser o contrário para outros.

Ilustração: Kitty Yoshioka

Um gosto pessoal tido como brega ou cafona — são coisas diferentes — pode se tornar moderno, divertido, kitsch, retro etc., quando somos capazes de perceber, com nosso senso estético e não gosto, o que existe de belo no feio, ou seja, perceber qual detalhe — que pode vir da combinação de cores, tipografia, imagens, padrões — pode tornar-se único e um diferencial estético na peça gráfica que estamos criando.

Devemos entender que gosto pessoal e senso estético são coisas distintas. Como designers somos obrigados a ter um ótimo senso estético, mesmo tendo um péssimo gosto pessoal.

Costumo dizer que existem várias Márcias Okidas em uma e como adoro design, arte, cores, estética etc., muitas vezes me adapto visualmente aquilo que vou fazer no momento.

Tem a Okida que dá aulas de jornalismo e  neste momento usa roupas mais básicas e menos cores.

Já a que dá aulas de design pode ir vestida de verde e vermelho meio ao estilo de Frida Khalo ou Van Gogh.

Dando palestras e cursos, a Okida é uma mistura dos dois; meio clássica, mas moderna.

Já no grupo musical, cantando, me dou o direito de ousar mais ou me aproximar visualmente do tema a ser abordado no show.

Todas são a mesma pessoa, mas que se adapta visualmente a cada objetivo.

Todos nós fazemos isso de uma forma mais ou menos intensa.

O senso estético em design gráfico pode ser visto, entendido assim. Alguns podem imaginar ser um modo meio simplório de abordar o tema, mas acredito que funcione.

Porque para mim, como disse no início, se o design fosse uma pessoa, seria mais ou menos assim: a forma corresponde ao corpo, a tipografia a nossa roupa, símbolos de construção e criação são adereços de moda e a cor é a alma.

Nessa semana pretendo abordar cada etapa dessa nossa vestimenta começando pela roupagem, a tipografia, amanhã aqui neste mesmo local.

* Voltar ao índice de artigos

Leave a Reply